Por Prof. Felipe Aquino, da Canção Nova

Em 1748, Padre Francisco da Silveira, que escreveu a crônica de uma Missão realizada em Aparecida, qualificou a imagem da Virgem como “famosa pelos muitos milagres realizados”, e acrescentava dizendo que numerosos eram os peregrinos que vinham de longas distancias para agradecer os favores recebidos.

romaria3Certamente, o primeiro milagre foi a pesca abundante que se seguiu após o encontro da imagem. A época não era favorável à pescaria, mas, depois de apanhada a imagem de Nossa Senhora da Conceição, os pescadores lançaram a rede novamente e pescaram peixes em tão grande quantidade que ficaram até receosos de um naufrágio.

Outro milagre foi o das velas, que aconteceu no primitivo oratório de Itaguaçu, quando o povo se encontrava em oração diante da imagem.

Numa noite, durante a reza do terço as velas apagara –se repentinamente e sem motivos, pois não ventava na ocasião. Houve espanto entre os devotos e, quando Silvana da Rocha procurou acendê-las novamente, elas se acenderam sozinhas, prodigiosamente.

romaria12O milagre da menina cega aconteceu quando, certo dia, mãe e filha partiram para conhecer a santa milagrosa. Ao chegarem perto do Santuário, a menina, levantando a cabeça, disse:

– Mãe, como é linda esta igreja!

Milagrosamente, ela já estava enxergando.

Comovente também é o milagre das correntes que se soltaram das mãos de um escravo. Isso aconteceu em meados de 1850, quando um escravo fugitivo, chamado Zacarias, capturado e acorrentado por grossas correntes, passando em frente ao santuário, pediu ao seu feitor permissão para rezar a Nossa Senhora Aparecida.

romaria11O feitor permitiu que o negro escravo fizesse suas orações e seus pedidos. De joelhos, o escravo rezava quando, milagrosamente, os elos das correntes se romperam, soltando-se de seus pulos.

O feitor compreendeu que se tratava de uma intervenção sobrenatural e concordou que o escravo deveria ficar em liberdade e retornou sozinho.

O milagre do cavaleiro sem fé, que vinha de Cuiabá, se deu quando ele, dirigindo-se para Minas Gerais, passou por Aparecida e viu a fé dos romeiros. Logo que ele observou o povo, começou a zombar, dizendo que aquela fé era uma bobagem. Quis provar o que dizia, entrando a cavalo na igreja. Não conseguiu. A pata de seu cavalo prendeu-se na pedra da escadaria da igreja (Basílica Velha), e o cavaleiro arrependido entrou na igreja como devoto.romaria13

Outro milagre foi o do menino no rio, acontecido quando pai e filho foram pescar. Durante a pescaria, a correnteza estava muito forte e por um descuido o menino, que não sabia nadar, caiu no rio. A correnteza o arrastava cada vez mais rápido e o pai desesperado pediu a Nossa Senhora Aparecida para salvar o menino. De repente, o corpo do menino parou de ser arrastado e o pai pôde salvar seu filho.

Houve ainda o milagre do caçador que estava voltando de sua caçada já sem munição, e que, de repente, se deparou com uma enorme onça. Ele se viu encurralado e a onça estava prestes a atacar. Quando o caçador pediu desesperado a Nossa Senhora Aparecida por sua vida, a onça se virou e foi embora.

Texto retirado do livro: Devocionário a Nossa Senhora Aparecida 

http://www.pcl.org.br/wp-content/uploads/2017/10/romaria12.jpghttp://www.pcl.org.br/wp-content/uploads/2017/10/romaria12-150x150.jpgKelvin PinhoArtigosMaria,Milagres,N. Sra. Aparecida,Romaria,Vila Pia
Por Prof. Felipe Aquino, da Canção Nova Em 1748, Padre Francisco da Silveira, que escreveu a crônica de uma Missão realizada em Aparecida, qualificou a imagem da Virgem como “famosa pelos muitos milagres realizados”, e acrescentava dizendo que numerosos eram os peregrinos que vinham de longas distancias para agradecer os favores...